Institucional

Homenagem

Ministro da CGU recebe medalha da Ordem do Mérito Naval

publicado: 11/06/2019 15h13, última modificação: 11/06/2019 15h30
Em cerimônia alusiva ao 154º aniversário da Batalha Naval do Riachuelo, Wagner Rosário foi admitido no Grau de Grande Oficial
Ministro da CGU recebe medalha da Ordem do Mérito Naval

Wagner Rosário recebeu a condecoração em cerimônia com o presidente Jair Bolsonaro - Foto: Ascom/CGU

O ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, recebeu, da Marinha do Brasil, a medalha da Ordem do Mérito Naval, no Grau de Grande Oficial. A entrega aconteceu na manhã desta terça-feira, dia 11, em Brasília, durante cerimônia de comemoração do 154º aniversário da Batalha Naval do Riachuelo. 

A Ordem do Mérito Naval, criada pelo Decreto nº 24.659, de 11 de julho de 1934, se destina a premiar os militares da Marinha que tenham se destacado no exercício de sua profissão e, excepcionalmente, corporações militares e instituições civis, nacionais e estrangeiras, assim como personalidades civis e militares, brasileiras ou estrangeiras, que prestaram relevantes serviços à Marinha do Brasil. 

A Ordem do Mérito Naval é composta por cinco graus: Grã Cruz; Grande Oficial; Comendador; Oficial; e Cavaleiro. Os graus concedidos às personalidades civis correspondem aos cargos que elas desempenham. O Presidente da República é o Grão Mestre. 

A insígnia da Ordem do Mérito Naval tem, no anverso, a efígie da República, rodeada de um círculo de esmalte azul, no qual são gravadas as palavras "MÉRITO NAVAL" e, no reverso, em idêntico círculo, a palavra "BRASIL". A insígnia conta com uma fita de gorgorão vermelho, com uma listra azul claro no centro. 

Batalha do Riachuelo 

A Batalha Naval do Riachuelo aconteceu em 11 de junho de 1865, nas margens do Rio Riachuelo, em afluente do Rio Paraguai, na cidade de Corrientes, na Argentina. À época, o Paraguai, sem conexão com o mar, buscava o controle da Bacia do Prata, que representava a saída para o Oceano Atlântico. 

Na manhã daquele dia, integrantes da Força Naval Brasileira estavam nas proximidades de Corrientes e avistaram a esquadra paraguaia, com 14 embarcações, descendo o Rio Paraná. Na margem esquerda do rio, soldados inimigos aguardavam o momento do ataque. Seguiu-se um primeiro e rápido combate e, junto à foz do Riachuelo, em um trecho de difícil navegação, foi travada a batalha decisiva. A esquadra brasileira conseguiu afundar quatro embarcações inimigas, dando fim à batalha e consagrando a vitória do Brasil.